sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

Cala-te



Calo-me por uns instantes...
na tentativa de que escutes o que grito.

Pois se é no intervalo entre as palavras e os silêncios
que mora o vazio do que nunca foi dito.

Então...
Calo-me para sempre...
... na esperança de que digas alguma coisa...
algum dia...


_____________________________________________________

.
Pergunta do dia:
.
Como pode o silêncio fazer tanto barulho dentro da gente???

......................................................................................

Retificação da pergunta do dia:

Como pode o silêncio (do outro) fazer tanto barulho dentro da gente???



16 comentários:

Adriano Queiroz disse...

"No deserto dizem que o barulho assassina os pensamentos.
Como não há barulho nesse mar de areia, divaguemos"

Esta frase do Bourdoukan é prima da sua pergunta. =]

O barulho interno é mais forte que bateria de escola de samba.
É difícil, mas é um sintoma de que estamos passando por algum processo interior. Quiça.

Eu gosto deste contraste, do paradoxo "Calo-me" e "tentativa de que escutes o que grito".

Abrasss.

Adriano Queiroz disse...

PS: Fotos sempre belas.

PS2: Esta é ótima.

tossan disse...

Com os olhos e o silêncio se diz muito. Lindo poema em transe. Abraço

Corso disse...

cara, to com o adriano...esse verso, esses, quero dizer...do começo...muito bons mesmo.
e é uma verdad...
muitas vezes quem fica quieto diz tudo...
a errata não é que ficou melhor, mas as duas frases - perguntas - tem sentidos diferentes, me parece... ou não?

bom, de madruga, como sempre, e vc tbm, pelo jeito..rs

abrasssssssssssssssss

Beto Canales disse...

\Muito legal.

Ricardo Valente disse...

Sempre para um é mais intenso. Por isso, acaba! Gostei bastante! Abraço.

CotidiAmo disse...

Esse poema ficou muito especial, gostei muito mesmo. parabéns.

Acho que é porque o silêncio é um grito ao contrário. beijos.

Valéria disse...

penso que o silêncio do outro incomodatanto porque reverbera uma doída esperança na gente...
um beijo

Valéria disse...

ahhh amei a imagem... e... roubei-a

Jana disse...

O silêncio que grita é o mais dolorido.

Abração querido!
:)

sonia disse...

Adoro o silencio interno ,externo.......
Com ele aguçam-se outras linguagens..........
adorei!
beijos so

Rubens da Cunha disse...

grandes perguntas, quando souber as respostas me avisa :)
abraços

VALÉRIA disse...

O silêncio da gente é pior...
O silêncio do outro você encara, espera e se for o caso desiste, mas o nosso não tem como calar...

Muito bom seu texto, abraços!

VALÉRIA disse...

"Ouve-me, ouve o meu silêncio. O que falo nunca é o que falo e sim outra coisa. Capta essa outra coisa de que na verdade falo porque eu mesma não posso." (Clarice Lispector)

Auxílio luxuoso de Clarice às indagações sobre silêncio, espero que goste!

Vâmvú disse...

Adriano,
Obrigadão pelo comentário, sempre presente. Valeu! Abração

Tossan,
Sempre presente também. Obrigadíssimo. Abração.

Corso,
Sim, sempre pelas madrugadas... rs
Duas perguntas a principio parecidas mas completamente diferentes mesmo. Brigadão pela presença, sempre. Abração.

Beto,
Brigadão. Valeu! Abração.

Ricardo meu amigo,
Sim, sempre para um vai ser diferente, mais intenso mesmo. O equilíbrio? Tá dificil mesmo.. rs. Obrigadão sempre. Abração.

Simone,
Super obrigado por tua presença por aqui. Adorei a tua definição de que o silêncio é um grito ao contrário. Ótimo isso, vou usar, posso? (rs) Bjão.

Val,
Falou e disse tudo. Brigadão. QUanto a imagem pode ficar a vontade... eu as pego da internet mesmo.. rsrs. Bjão.

Jana,
Sim... o silêncio pode ser muito dolorido mesmo. Obrigadão pela tua presença aqui. Bjão.

So,
Sim... é verdade, o silêncio tem esse lado também, esse poder. Brigado por tua presença sempre por aqui. Bjão.

Rubens,
Quem descobrir primeiro avisa o outro, ok? rsrs. Abração e obrigadão.

Valéria,
Super obrigado pela visita. Obrigado pelo comment e obrigado por Clarice, adoro! Sempre... demais!!! Vou la te visitar. E apareça quando quiser. Bjão.

. disse...

cheguei aqui através da van. cara, num sei. o silêncio de alguém me mata. é o ó. penso que é o maior dos castigos que existem na face da terra, enfim.
bjo