sábado, 14 de março de 2009

Escuro (com uma ajuda de Clarice...)





"Não tenho medo nem das chuvas tempestivas nem das grandes ventanias soltas.
Pois eu também sou o escuro da noite."
(Clarice Lispector)
.
.
.
.
Todos temos nossos escuros.
O que talvez nos diferencie um do outro, sejam os ventos e as tempestades.
Mas é inegável!
Esses ventos e tempestades podem aparecer de vez em quando...
Ou nunca.
Mas o escuro está lá... sempre... guardado...
Você pode até tentar disfarça-lo, mas...
Não tem como negá-lo.
Pode ser muito tenebroso... ou não.
E só de poder sabê-lo e encará-lo
já acredito como um grande passo a ser dado.
Com o cuidado de não se perder na sua própria escuridão...

11 comentários:

Beto Canales disse...

excelente.
abraços amigo.]

Dario Duarte disse...

Muito bom!
Adorei aqui!!

Fernanda Fernandes Fontes disse...

Os meus escuros clareiam minhas letras...ele está aqui, na minha subjetividade diária, nos meus medos, anseios e desejos...nada há que se temer quando nele...

Bjs

Felipe Lima disse...

Acho saudável. Pois o branco também não cega?

[ rod ] disse...

É da cor escuridão... do ato sombrio... que, por vezes, retiro forças secretas...

Abçs meu caro,







Novo Dogma:
queReres...


dogMas...
dos atos, fatos e mitos...

http://do-gmas.blogspot.com/

Ricardo Valente disse...

Como não se perder na própria escuridão? Há caminhos sem chegadas... (muito bom post, Sr. Vâmvú)

Afobório. disse...

olá.

onde há luz, existe trevas.

sorte e luz.

tossan disse...

Normal, todos nós temos telhados de vidro, digo, escuros. Gostei! Abraço

Desarranjo Sintético disse...

Clarice é irretocável, em poucas palavras expressou a alma humana em toda sua insanidade.

Todos temos vários dentro de nós, e muitos lugares também, desde lindas clareiras até tenebrosos desfiladeiros.

Fábio.

Rubens da Cunha disse...

Clarice sempre ajuda, vez ou outra faço meus rogos a ela também :)
abraços
Rubens

clarice ge disse...

quem se reconhece no escuro não teme a claridade... é no escuro que mais nos revelamos...